quinta-feira, 19 de maio de 2016

Clínica de Oratória - Competência em Comunicação Oral

E aí, você é um bom comunicador?

Em pleno século XXI com todo o aglomerado de informações a que somos submetidos para nossa sobrevivência, a comunicação humana além de essencial tornou-se também marco de competência. Falamos muito, o dia todo estamos tentando comunicar com os outros, seja verbalmente ou utilizando os melhores mecanismos tecnológicos do momento.

Todavia, nem sempre conseguimos fazer o mais importante, que é criar uma conexão com o outro. Nossa comunicação por vezes tem se mostrado superficial, seja ela em nossa convivência familiar e mesmo em nossas atividades profissionais.

Quando se pensa em oratória, com certeza devemos ir além de repensar os grandes oradores desde a era dos pré-socráticos. E também entender que não é buscar termos rebuscados para se fazer um discurso. Mas, acima de tudo entender que falar em público basta ter uma pessoa em nossa frente. E a partir daí reconhecer que é necessário comunicar com qualidade, com propriedade e usar de sabedoria para ser assertivo.

Na Clínica de Oratória nós buscamos ir além de repensar nas regras, pois elas são importantes, mas não mais do que entender que somos um ser que até calados transmitimos alguma mensagem. Precisamos em primeiro lugar do autoconhecimento, o que nos levará utilizar o que temos de melhor para assim impactar decididamente em nosso discurso, seja este em nossas apresentações ou mesmo no dia a dia.

A Competência em Comunicação Oral passa pelo subsídio básico da divisão de percentual:


Então temos 38% nossa voz, 56% do nosso corpo e apenas 6% do conteúdo que falamos. 

A partir dessa perspectiva, a nossa atenção na qualidade de cada um desses três quesitos se torna muito mais especial. Então enquanto muitos se preocupam em apenas estudar o conteúdo, podem por outra parte colocar tudo a perder por não valorizar o que o cérebro humano capta em primeiro lugar. Ou seja, nossas expressões corporais, nosso tom de voz e também lembrar que cada palavra contém em si sentimento.

Durante a nossa Clínica abordamos esses fatores para reconhecer a quantidade de recursos maravilhosos que possuímos e não utilizamos adequadamente. Assim, não deixamos de abordar sobre a premissa de qualquer argumentação, o PLANEJAMENTO.  E para completar todo o estudo abordado nesse contexto, não poderíamos deixar de falar daquilo que move e transforma qualquer discurso: a PAIXÃO.

Sim, se não estivermos apaixonados por aquilo que falamos em nossas apresentações, se não deixarmos envolver por cada temática que iremos demonstrar, seja em qualquer ambiente, dificilmente causaremos o impacto necessário. Em outras palavras, quando estamos apaixonados todo o nosso ser exala um perfume contagiante que causa um efeito arrebatador.

Então fica aqui a minha pergunta: Você é um bom comunicador? Ou melhor, você é um apaixonado?

                                               Comendador Helton Luiz de Oliveira 

terça-feira, 17 de maio de 2016

II Jogos de Empresas: de 23 a 25 de maio


domingo, 15 de maio de 2016

A beleza da disciplina

A disciplina foi fundamental em tudo o que fiz bem (assim como o culpado de tudo o que eu não fiz tão bem)













Nei Lacerda, 11 de maio de 2016 

Eu tenho que admitir, eu sempre odiei a disciplina.

Mas na infância meu pai me disse que a disciplina é fundamental para o sucesso na vida, e eu podia ver implicitamente, que ele estava certo, eu praticava a disciplina de forma diligente em praticamente tudo o que se comprometeu naquela época desde esportes, escola e trabalhos em casa.

Olhando para trás, eu não posso negar que a disciplina foi fundamental em tudo o que fiz bem (assim como o culpado de tudo o que eu não fiz tão bem). Posso dizer sem dúvida que o meu pai estava certo, que tomar medidas adicionais para fazer as coisas da maneira certa, de novo e de novo, realmente é a chave para o sucesso.

Mas havia um problema.

Via em minha mente, a recompensa final por anos de disciplina seria a chegada do dia em que eu poderia descartá-la. Algum dia no passado, eu prometi a mim mesmo que eu seria bem sucedido o suficiente para viver uma vida livre de disciplina, para fazer o que quisesse, quando quisesse. Não háveria dois dias iguais, e ninguém seria capaz de esperar qualquer coisa de mim que eu não tinha vontade de fazer. Isso seria, na verdade, ser a definição de sucesso. 

Eu não acho que eu sou muito diferente de muitos empresários e líderes lá fora. Embora todos nós entendemos a importância do trabalho duro e diligência no cumprimento de nossas responsabilidades diárias, muitos de nós calmamente anseiam pelo dia em que as nossas empresas vão estar em um lugar onde podemos ser espontâneos e livres, onde podemos escolher como gastar o nosso tempo dependendo do que sentir vontade de fazer em qualquer momento, em qualquer dia.

Bem, as coisas nem sempre saem da maneira que acho que eles vão. Para mim havia duas falhas em meu pensamento:

Em primeiro lugar, quando se trata de ter uma família, a liberdade ea espontaneidade são realmente raros. Sempre parece ser um compromisso, um jogo, um recital ou uma atividade familiar para assistir quando você é um pai ou mãe. E no dia em que não há atividades, há geralmente uma doença ou uma emergência inesperada.

Mas, mesmo que minha vida em casa estivesse fora do meu controle, eu jurei que iria encontrar uma maneira de trabalhar sem disciplina. Isso significava que, quando eu não estava trabalhando, gostaria de me livrar de compromissos e responsabilidades que não faziam eu aproveitar o tempo. Gostaria de ir para o escritório e saltar de uma conversa para outro com base em quaisquer tema que me comovesse. Gostaria de ser tão livre de disciplina, como eu nunca tinha sido na minha vida.

Bem, de certa forma, eu era capaz de alcançar esse objetivo. E é aí que a segunda falha no meu pensamento tornou-se evidente: a liberdade de disciplina deixou me sentir vazio.

Não só a minha produtividade diminuiu o que não foi um choque total mas algo mais aconteceu que me surpreendeu. Cheguei a temer qualquer atividade, mesmo aquelas relativamente agradáveis, o que me impediu de exercer "liberdade". Eu achei que, apesar de meus dias começarem com a promessa de criatividade espontânea, quase sempre terminava com um sentimento de decepção. Eu ia de carro para casa me sentindo como um aluno da sétima série consciente que tinha passado toda o seu fim de semana jogando videogames. Sem rumo e com sentimento de desperdício e um pouco de vergonha.

De uma forma muito limitada, eu acho que tive um vislumbre do que deve ser como para atletas profissionais e atores famosos que, quando eles estão em seu auge têm tanta liberdade em suas vidas e ainda parecem infelizes. Há apenas uma coisa em última análise, solitário e insatisfatório sobre não ter quaisquer responsabilidades claras, mesmo que essas responsabilidades não são exatamente estimulante.

E há um ponto aqui para líderes e gestores que, como eu, muitas vezes temem ter que viver uma vida mais estruturada, disciplinados do que pensamos que queremos. Depois de ter o espetáculo meu desejo ao longo da vida para a liberdade, agora sou um defensor reformado da disciplina, não só porque ele funciona, mas porque tem suas próprias recompensas.

Não me interpretem mal. Eu ainda aprecio muito e entendo a necessidade de liberdade ocasional e tempo livre. Todos nós precisamos disso. Mas eu tenho que admitir que eu não percebi que a liberdade se torna sua própria espécie de prisão sem um sentido geral da estrutura e limites. Ao abraçar a necessidade de disciplina em nossas vidas, no trabalho e em casa, recebemos uma sensação de paz e humildade que é muito melhor do que a liberdade. E, ironicamente, faz oportunidades ocasionais de liberdade muito mais agradáveis.

E assim, eu gostaria de aproveitar esta oportunidade para agradecer a minha família por encher o meu mundo com tantos afazeres, que eu provavelmente nunca teria escolhido por mim, e, assim, impedindo-me da miséria de muita liberdade em casa. E eu gostaria de pedir desculpas aos meus colegas por tolerar minhas interrupções aleatórias durante o meu período prolongado de rebeldia adolescente. Eu acho que é melhor parar e aprender alguma coisa aos 41 anos do que nunca.

Site: www.administradores.com.br

terça-feira, 10 de maio de 2016

Conselho Regional de Administração de Minas Gerais (CRA-MG)


sexta-feira, 6 de maio de 2016

Feliz Dia das Mães!